09 maio 2007

A eterna irreverente


Helena Roseta avessa a lógicas partidárias, integrou as fileiras do PSD e mais tarde as do PS como independente. Foi deputada constituinte, eleita várias vezes ao Parlamento, vereadora na Câmara de Lisboa e Presidente da Câmara de Cascais. Sempre fala com paixão diz sempre o que pensa. Doa a quem doer. Na política, esta frontalidade tem sido castigada. Na arquitectura, valeu-lhe a eleição para presidente da Ordem. Demitiu-se hoje de militante do PS, numa carta dirigida ao secretário-geral socialista, José Sócrates, em que declara querer «contribuir para uma solução política» para a Câmara Municipal de Lisboa como independente.

1 comentário:

MariaFaia disse...

Helena Roseta é uma mulher de convicções, de vontade e de garra.
Ter-se-á desiludido com os partidos políticos?
Não será, seguramente, a primeira nem a última.
Que vença o melhor para Lisboa.
A bem da democracia.