18 abril 2007

Que rica Saúde!!!!

Portugal está a ficar socialmente mais desigual. Quase sem darmos conta, institucionaliza-se a ideia de que a qualidade está no privado, para os reformados e pensionistas fica o sector público. Não devia, não deve de ser assim. O passado e os que contribuíram para a edificação deste país, não podem, não devem ser deixados ao abandono como se já não contassem ou não estivessem inscritos nos cadernos eleitorais. Afinal de que vale termos uma Constituição da Républica onde está consagrado o direito à saúde no seu Artigo 64º , se depois existem administrações governamentais que no seu exercício politico desvirtuam totalmente o espírito da lei?
Que país este que nega a aplicação de uma vacina de âmbito nacional por razões económicas e onde simultâneamente nascem hospitais alicerçados na rentabilidade económica e no lucro, direccionado e tendo como clientelas preferenciais segmentos da sociedade das classes média e alta?

8 comentários:

magnolia disse...

Realmente vergonhoso o que se está a passar no nosso país! Todos os dias ficamos pasmados com alguma notícia que surge e, infelizmente, todas elas são negativas. O nosso sistema de saúde está de rastos, porque os nossos governantes assim o entendem. A intenção é mesmo destruir e eclipsar a saúde pública, para poderem justificar a necessidade do investimento privado. Como é óbvio, num país com uma população pobre e com uma tão elevada percentagem de reformados, sabemos a gravidade que isso representa. A saúde, melhor dizendo a vida humana, é considerada um bem de consumo e, chegará o dia em que apenas aqueles que tenham dinheiro a poderão comprar.

XRéis disse...

Posso ser um pouco dura com o meu comentário mas a mim quer-me parecer que o se pretende é mesmo acabar com os "velhos e doentes", com todo o respeito que tenho por eles, pos só assim se justica este tipo de politicas, não será?

MGomes disse...

Cara XRéis:
Eu não generalizaria assim o comentário, se me permite.Eu acho que desde que se permita políticamente tratar da questão "saúde" sob o ponto de vista económico (leia-se, fonte de rendimento para quem invista no sector), tudo é possível. Eles (os que investem) não diferenciam os seus clientes entre velhos e novos, o que conta, é uma outra condição de efeito mais concreto e passível de resultados economicos imediatos, que é o ter dinheiro.!!! E o que é lamentável nesta sociedade dita de democrática e solidária para com os mais desfavorecidos, é permitir-se a pessoas que deram o seu melhor em prol de uma vida e de um país, a situação de terem de ir ás cinco da manhã para as portas do seu posto médico e esperar que tenham sorte numa consulta médica de clínica geral.!!! Eu até nem estaria muito em desacordo com o aparecimento destas unidades hospitalares se na realidade hovesse capacidade de escolha PARA TODOS, assim não. Definitivamente não.
Um Abraço e Obrigado pelo seu comentário.

Anónimo disse...

Olá! Já [votaste] no selo do Zeca ??

Davide da Costa

MGomes disse...

Caro Anónimo (David da Costa):
Embora a sua visita se resuma a uma simples pergunta, não quero deixar de lhe responder com todo o gosto. E a resposta é igualmmente muito simples também: Sim, já votei

Ludovicus Rex disse...

Bem o dizes meu amigo...que rica saúde... Nas grandes cidades sempre há mais acesso, mas nos meios rurais... ele é mezinhas e mais mezinhas com medo de poder ficar doente. Porquê? porque a maior parte dos centros de saúde, quando os há, fecham à mesma hora que uma repartição de finanças... Justiça, Igualdade?
Estas questões deixam-me fora do sério meu amigo... ainda me lembro de como os algarvios morriam a caminho de Lisboa por não terem assistência devida na sua região... e hoje não está muito diferente...

Um abraço

Vladimir disse...

todos temos alguma culpa disto ter ido parar onde foi...

Maria Faia disse...

É verdade meu Amigo,
A saúde é um direito constitucionalmente protegido que, em minha modesta opinião, não deve obedecer a critérios economicistas.
O Estado quer "aforrar" dinheiro com a saúde mas depois concede subsídios chorudos aos privados para exercerem a actividade que ele próprio devia assegurar.
A economia tem destas coisas que eu não entendo...
Beijo